Utilizamos cookies próprias e de terceiros para melhorar o nosso serviço, personalizar os anúncios e relembrar as suas preferências. Se continuar a navegar, entenderemos que está a aceitar a utilização de Cookies no nosso Site. Para mais informações (por exemplo, como mudar as suas preferências), visite-nos em Política de Cookies

OK
advertisement
Programa AvançadoAvançado

Caldas da Rainha - Tarte de pêra rocha

Classificação 0/5

Começamos por forrar uma tarteira com massa quebrada, aproveitando a folha de papel vegetal que vem com a massa e colocando-a entre a massa e a tarteira. Com a ajuda de um garfo, fazemos buracos no fundo da massa para que esta não empole durante a cozedura. Um truque para que a massa se mantenha no lugar é encher a forma com feijões e levar ao forno assim mesmo, pois os feijões vão criar peso sobre a massa, impedindo que ela ganhe bolhas de ar. E não se preocupem que os feijões não chegam a cozinhar.

Com a forma forrada de massa, levamos ao forno, pré-aquecido a 180ºC, durante 5 a 7 minutos. Até que a massa cozinhe e ganhe uma cor dourada nas pontas.

Entretanto, preparamos o recheio da tarte.

Começamos pelo caramelo onde vamos envolver as pêras. Colocamos o açúcar numa frigideira quente e, em lume brando, deixamos que ele caramelize. Juntamos uma noz de manteiga, mexendo sempre até que ela derreta, e regamos com o vinho do porto. É nesta altura que juntamos as pêras, descascadas, sem caroços e cortadas em meia-lua. O processo tem de ser rápido, para que o caramelo não solidifique e se mantenha líquido. Envolvemos bem e deixamos ficar ao lume, a baixa temperatura, para que as pêras amoleçam e incorporem os sabores do caramelo e do vinho do porto.

Enquanto isso, batemos as claras em castelo. Podemos até colocar uma pitada de sal para fazer com que as claras fiquem firmes mais rapidamente. E só quando tivermos as claras quase no ponto é que juntamos o açúcar em pó, para conseguirmos a melhor consistência para o merengue.

Depois de retirarmos a massa do forno, colocamos primeiro as pêras e o molho de caramelo (acabado de sair do lume) e, por cima, o merengue. Com o forno a uma temperatura mais baixa, 160ºC, deixamos que o merengue fique dourado e, nessa altura, a nossa tarte está pronta.

Até à próxima receita!

Para miúdos:
não
Para os vegetarianos:
não
Receita de: Sebastião Castilho