Superalimentos: O que são e para que servem?

05.06.2019

Prudence Earl
Superalimentos: O que são e para que servem?

 

Numa altura em que as preocupações com uma alimentação cada vez mais saudável e variada e em que os benefícios de certos alimentos são cada vez mais escrutinados, uma das mais recentes modas é a dos “superalimentos”. E pergunta o leitor “Estão as pessoas a apostar em alimentos de maior dimensão nas suas refeições?”. Nada disso.

 

Os superalimentos são alimentos que possuem uma elevada densidade nutricional em vitaminas, minerais, fibras e fitoquímicos. Se os primeiros três são mais conhecidos, “fitoquímicos” não é propriamente um conceito muito familiar. Mas explicamos: neste grupo de nutrientes estão químicos com origem vegetal (frutas e vegetais) que têm principalmente propriedades antioxidantes que fortalecem o sistema imunitário.

Voltando à alimentação, os benefícios dos superalimentos têm sido bastante discutidos entre a comunidade científica. Alguns advogam que a sua popularidade não passa de uma campanha de marketing visto que ainda não há provas suficientes a evidenciar os efeitos destes alimentos. Mas, por outro lado, existe uma parte que defende que não obstante não poderem ser um atalho para uma alimentação mais saudável, os seus efeitos serão observados se forem integrados numa alimentação variada, onde não substituem outros alimentos essenciais que devem continuar a fazer parte da nossa dieta. (Veja ainda as nossas receitas para uma alimentação mais saudável)

 

Quais são, então, os superalimentos mais famosos?

 

Quinoa

É provavelmente o mais conhecido desta lista. Sendo um grão de uma planta com o mesmo nome, a quinoa destaca-se por não ter glúten e pela sua concentração equilibrada de proteínas, que permite que esta seja rica em propriedades antioxidantes benéficas para a saúde física. Por tudo isto, tem vindo a ser incluída cada vez mais em pratos como substituto da massa e do arroz e a tornar-se uma presença habitual nas mesas das famílias.