Utilizamos cookies próprias e de terceiros para melhorar o nosso serviço, personalizar os anúncios e relembrar as suas preferências. Se continuar a navegar, entenderemos que está a aceitar a utilização de Cookies no nosso Site. Para mais informações (por exemplo, como mudar as suas preferências), visite-nos em Política de Cookies

OK
advertisement

Holmes Place - Porque é que o exercicio faz bem às enxaquecas

Exercício e Enxaquecas

O exercício fisico (EF) é a melhor forma de prevenção contra muitos tipos de doenças. Sobre a origem da enxaqueca, cuja prevalência é de 8 a 15% nos países ocidentais, a informação existente é pouco conclusiva, julgando-se estar esta doença relacionada com o sistema vascular e com o sistema nervoso. A dor constitui uma matéria comum à enxaqueca e ao EF, pelo que o desenvolvimento de mecanismos de resistência à dor pela prática de EF poderá contribuir para o aprofundamento do estudo desta doença.

Definição de enxaqueca

As enxaquecas (em inglês, migraine) são uma forma de cefaleia com sintomas fortes, que incluem dores de localização unilateral, pulsátil, de intensidade moderada a severa e que se agrava com atividade física de rotina, surgindo associada a vómitos e náuseas, e foto/fonofobia. Mais comum entre a população portuguesa é a cefaleia de tensão que apresenta efeitos menos nocivos. Consiste numa dor tipo pressão ou aperto, de intensidade leve ou moderada, com localização bilateral e que não se agrava com a atividade física de rotina.

Embora se registem casos em que o EF teve efeito benéfico no controle da enxaqueca, na fase aguda da dor este não é recomendado.

Destacam-se entre as enxaquecas induzidas pelo desporto:

•        de esforço

•        por pressão intracorporal, ou Valsalva (atinge sobretudo powerlifters e bodybuilders)

•        relacionadas com a altitude e derivadas de estados de hipoxia (skiers)

•        de sobreaquecimento, calor

•        por trauma (jogadores de futebol americano, desportos de luta)

 

O EF não funciona como trigger da enxaqueca, se certos princípios do treino forem levados em conta. É, por isso, importante fazer um bom aquecimento e não esquecer a fase de retorno à calma, evitar a manobra de Valsalva e exercícios em apneia, uma curvatura acentuada na cervical (devido a tensão nos músculos da nuca) e a desidratação.

 

A perceção da dor e o papel dos neurotransmissores

A ação nervosa relacionada com a dor na enxaqueca é complexa e ainda pouco estudada. Contudo, é aceite que existem fatores nervosos que, intermediados por neurotransmissores, modulam a dor durante uma enxaqueca. Ora, muitos dos mecanismos de adaptação do EF são respostas ao nível desses neurotransmissores que atuam no organismo.

Alguns, como é o caso da serotonina, têm um efeito analgésico que beneficia o doente de enxaqueca. A serotonina, encontrada em níveis mais elevados em praticantes de EF, está associada ao processo de inibição da dor, desempenhando um papel central no sistema vascular e, desta forma, influenciando o processo da enxaqueca.

Elevados níveis de catecolaminas, especificamente norepinefrina, foram encontrados em pacientes de enxaquecas. As catecolaminas são um neurotransmissor que atua na predisposição do Sistema Simpático para o exercício, contribuindo para uma maior eficácia no seu desempenho a longo a prazo.

Finalmente, as endorfinas que são encontradas em baixo nível nos doentes de enxaquecas, aumentam com a prática de EF, desempenhando uma função de analgésico e um papel importante na redução da ansiedade.

Ação indireta do exercício físico nas desordens associadas às enxaquecas

Indiretamente associadas a enxaquecas e cefaleias de tensão surgem também condições como a depressão, ansiedade, stress, patologias respiratórias e riscos cardiovasculares que incluem hipertensão, diabetes, colesterol alto e obesidade.

O EF tem um elevado impacto na diminuição da prevalência destas patologias, reduzindo claramente os seus níveis de perigo para a saúde, tanto ao nível fisiológico, pela melhoria da condição física do praticante, como ao nível psicológico, através do aumento de experiências de socialização, mestria, auto-realização, autoconfiança e valorização da imagem corporal.

Até mesmo o efeito de relaxamento no pós-exercício contribui para a diminuição de insónias e outros distúrbios de sono. Uma melhoria do sistema cardiovascular dá origem a um ritmo cardíaco mais baixo, como por exemplo, a chamada bradicardia do corredor, resultando na redução de stress e diminuição da tensão.

O Exercício Aeróbio aponta para uma melhoria dos sintomas da enxaqueca

O exercício aeróbio (cardiovascular), em especial, está relacionado com melhorias dos sintomas de enxaqueca. Estas melhorias foram notadas na qualidade de vida, na frequência e intensidade das dores. Os estudos nesta área apontam para uma melhoria considerável dos sintomas da enxaqueca, principalmente se o EF for integrado com outras terapêuticas - como técnicas e modalidades de relaxamento e alongamento, massagens, principalmente na zona da cabeça e nuca, e trabalho postural - relacionadas a um conceito multidisciplinar de wellness e bem-estar.

 

Álvaro Sousa

Personal Trainer Holmes Place Miraflores



Holmes Place - Porque é que o exercicio faz bem às enxaquecas
Categoria: